InícioClubesA história dos 20 anos do Brasiliense-DF.

A história dos 20 anos do Brasiliense-DF.

Brasiliense – 20 anos
No Brasil, acaba por ser comum algumas fusões ou o surgimento de clubes que se tornam referências, ou agente modificador na sua região. No futebol do Distrito Federal, surgido em 1959, com times que eram originários de Departamentos do Governo ou das Empresas que participavam da construção da Capital, isso viria acontecer na virada do último século. Antes disso, entre 1959 e 1975, o futebol era amador e logo se viu diante da primeira transformação. Daí vieram os clubes com origens nas Cidades Satélites até o final dos anos 1990.
Os “grandes” eram o Brasília, Gama e Taguatinga, e também o Guará, o Tiradentes e o Sobradinho, que participaram seguidamente das competições ao longo dos anos 1980 e 1990, e tiveram o sabor de suas conquistas.
Mas quando da virada para o ano 2000, algumas coisas já se transformavam. O Guará e Taguatinga já não tinham muita força, enquanto Tiradentes e Sobradinho até de nome mudaram. Os 40 anos do futebol brasiliense deixavam o Brasília e o Gama como maiores campeões.

Em meados de 2000, surge o novo clube, o Brasiliense, motivado por recursos de empresários da capital. Aproveitava a estrutura na cidade satélite de Taguatinga incluindo o Estádio Serejão. Logo disputando a 2ª.divisão o clube conquista o título e garantia seu acesso à 1ª.divisão que agora em 2020 completa sua 20ª.temporada e 9 títulos conquistados.
E podemos dividir sua curta história em 3 capítulos.

Capítulo 1 – Surgimento e Ascensão – 2000-2006

Em 3 meses o clube comemorava o título da 2ª.divisão brasiliense na decisão contra o Aruc (2x). Começando em 2001, na 1ª.divisão, disputaria 18 rodadas com vitórias nos dois turnos contra Gama, Brasília e Guará, passando nas semifinais contra o Bandeirante e chegando à decisão (a 1ª.vez) contra o Gama, com duas derrotas apertadas por 2×3 e 1×2. No 2º.semestre o clube estava na 3ª.divisão do Brasileiro onde já enfrentava times como o Goiânia-GO, Atlético-GO e Comercial-MS. Na segunda fase com apenas 4 confrontos, não superaria Confiança-SE e Atlético-GO, mesmo tendo vencido São Gonçalo-RN e Corinthians-AL, o time fica de fora.
O ano de 2002 seria o máximo. Estreia na Copa Centro-Oeste, em 14 rodadas com resultados interessantes como Vila Nova-GO (4×5), Goiás (3×1) e Comercial-MS (4×0). Não consegue ir para as semifinais, o clube em menos de 2 anos já está impondo seu conjunto. Ainda durante a Copa Regional, o clube também já disputava a Copa do Brasil, superando em jogos de ida e volta, o Vasco-AC, o Náutico-PE e o Confiança-SE.
Nas Quartas de Finais enfrentaria o primeiro grande clube do país, o Fluminense, e duas vitórias por 1×0 colocavam o clube em evidência no país. Quem era este Brasiliense ?
No campeonato de Brasília, estava na Fase Final de 10 rodadas e viria o CFZ ser campeão, superando até o Gama.
Nas semifinais da Copa do Brasil, nada menos que o Atlético-MG, vencendo por 3×0 no Mineirão e por 2×1 em Brasília. O clube estava ainda há 3 meses de completar 2 anos de existência e decidia uma competição nacional. Após duas partidas, uma derrota para o Corinthians por 2×1 em São Paulo e um empate no DF.
O time do Brasiliense era então formado pelo goleiro Donizetti, laterais Moisés e Emerson, zagueiros Aldo e Tiago, no meio com Evandro, Carioca e Maurício, e atacantes Gil Baiano, Wellington Dias e Jackson, todos comandados por Péricles Chamusca.
Na seqüência do ano de 2002, a 3ª.divisão do Brasileiro, na primeira fase com jogos de 5×0, 4×0 e 4×2, passando depois por Nova Esperança-MS, Anápolis-GO e Villa Nova-MG, e chegando ao Quadrangular Final contra Marília-SP, Ipatinga-MG e Nacional-AM. Foram 3 vitórias e 3 empates para comemorar o título nacional e o acesso para a 2ª.divisão do brasileiro em 2003.
No campeonato brasiliense de 2003 era o favorito, e com campanha extraordinária e jogos contra Sobradinho (4×0), Bandeirante (6×1), Brazlândia (7×0), Unaí (6×0), Guará (4×3) e mais outros 6 jogos, chegava as semifinais, passando pelo CFZ (campeão de 2002) e outra decisão contra o Gama. Após o empate em 1×1 no 1º.jogo, uma surpreendente derrota por 4×1 adia a conquista estadual.
O Brasileiro da 2ª.divisão de 2003 ainda não era de pontos corridos, e ainda tinha clubes como Palmeiras, Botafogo, Sport, Náutico, Santa Cruz-PE, Port.Desportos e Ceará dentre outros. Depois de 23 rodadas fica na 5ª.colocação para Fase Final em dois quadrangulares. Enfrentaria Palmeiras e Sport (que foram para o Quadrangular Final) e mais o Santa Cruz-PE.
Em seu 5º.ano de competições, o clube finalmente conquista o campeonato do Distrito Federal, vencendo os dois turnos. Na Copa do Brasil fica na segunda fase contra o Goiás, mas o melhor estava por vir. Num mesmo Brasileiro de 2ª.divisão, com 23 rodadas, fica na 1ª.colocação, passa por Fortaleza-CE, Ituano-SP e Santa Cruz-PE na fase final e conquista o Quadrangular Final e o título nacional, tendo enfrentado o Fortaleza-CE (vice), Avaí-SC e Bahia-BA. O clube agora alcançava a elite do futebol brasileiro.
O clube estava pronto para o ano de 2005, a expectativa era a melhor possível. Uma surpresa acontece em março ao ser eliminado jogando em Brasília contra o Atlético-MG (1×3) sem a chance da partida de volta, pela segunda fase da Copa do Brasil. Antes havia passado pelo Serra-ES (2×2 e 4×2). No campeonato do DF conquista o bi-campeonato sem chance para os adversários. Viria o Brasileiro e era somente jogo grande.
Em 10 rodadas, vitórias sobre o Atlético-MG (1×0 em Minas) e Flamengo (4×3 no Rio), mas derrotas para Fluminense (0x3) e Corinthians (2×4) ambas em casa. Estava na 17ª.colocação, 2 pontos acima do rebaixamento.
Ao virar o 1º.turno, 21 rodadas, muitos empates e boas vitórias sobre Goiás (3×1 fora) e Ponte Preta (4×0 em casa), mantendo-se na 17ª.colocação, apenas 3 pontos acima do Z4. A realidade mostrava-se diferente dos objetivos.
Já pelo 2º.turno venceria apenas o Palmeiras (3×2), Juventude-RS (1×0) e São Paulo (2×1), com seqüências de derrotas incluindo goleadas para Paraná (1×4) e Atlético-PR (0x4), tudo isso chegando na 30ª.rodada e penúltima colocação, há 4 pontos da 18ª.colocação para escapar. A reta final foi ainda pior, com apenas um vitória sobre o Santos (1×0) e a última colocação dos 22 participantes. Rebaixado para a 2ª.divisão de 2006.
Em 2006 logo conquistaria o tricampeonato brasiliense de forma incontestável, mas ficava pelo caminho contra o Santos nas Oitavas de Finais da Copa do Brasil. Restaria a 2ª.divisão do Brasileiro para voltar. E era a 1ª.edição de turno e returno em 38 rodadas da Série B, que tinha adversários como Atlético-MG, Sport-PE e Coritiba-PR. Ficaria há 8 pontos do G4, na 8ª.colocação.

Capítulo 2 – Domínio no Distrito Federal – 2007-2014

Nos 3 anos seguintes o clube conquistaria o campeonato de Brasília alcançando o inédito hexacampeonato na competição. Disputaria a 2ª;divisão do Brasileiro, em pontos corridos ficando em modestas colocações, 2007 (9º.), 2008 (14º.) e 2010 (14º.). Neste mesmo período disputava também, garantindo títulos no DF, a Copa do Brasil, fazendo excelente campanha em 2007, ao chegar as semifinais contra o Fluminense (que seria o campeão), após passar nas fases anteriores por Barra do Garças-MT, Juventude-RS, Cruzeiro-MG e Ipatinga-MG. Nos anos seguintes por esta competição ficara pela primeira ou segunda fases.
Em 2010, seria sua última participação na 2ª.divisão, quando terminaria na 16ª.colocação, zona de rebaixamento. Pelo campeonato de Brasília seria vice em 2010 e 2012, e campeão em 2011 e 2013, somando então 8 títulos e igualando ao tradicional Brasília-DF, porém ainda atrás do Gama que detinha 11 conquistas.
Nos anos de 2011 (7º.), 2012 (10º.) e 2013 (17º.) o clube disputava a 3ª.divisão do Brasileiro, finalizando em 2013 um rebaixamento para a 4ª.divisão.

Capítulo 3 – Decadência e Limitações – 2015-2020

Nos anos de 2014, 2018 e 2019, três únicas participações na Copa Verde, e também na Copa do Brasil em 2018 e 2019. No Brasileiro da 4ª.divisão esteve por 3 vezes, em 2014 (5ª.), 2018 (12º.) e 2019 (25ª.) e no campeonato de Brasília apenas mais um título em 2017, acompanhando nos últimos 6 anos as conquistas de Luziânia (2), Gama (2) e Sobradinho (1).
Nos anos de 2015, 2016 e 2017 o clube participaria somente do campeonato do Distrito Federal, em cada um destes anos. Também nos últimos 3 anos (2018-2019-2020) são 3 vices campeonatos para Sobradinho (nos pênaltis), Gama e novamente Gama em 2020, nos pênaltis.

Para este final de temporada, o clube disputou uma fase preliminar na 4ª.divisão, contra o Tocantinópolis-TO perdendo fora de casa por 1×0 e vencendo em Brasília, por 4×0. Agora está em disputa a primeira fase da competição, que tem 8 grupos com 8 participantes cada, e jogarão 14 rodadas. Seus adversários são Atlético-BA, Bahia de Feira-BA, Caldense-MG, Gama-DF, Palmas-TO, Villa Nova-MG e Tupynambás-MG.

Em 01/08/2000 o clube nascia e completou agora em 01/08/2020 sua breve história de 20 anos. Sua ascensão foi muito vertical, porém passaram-se os anos e o clube foi se tornando apenas mais um dentre as centenas que existe no país. Está até difícil se impor no Distrito Federal, e nesta 4ª.divisão tentará dias melhores.
Sua história é pequena, mas fez diferença no futebol de Brasília nestes 20 anos. Surgia num período em que o Gama se destacava no campeonato brasileiro, entre 1999 e 2002. Na atualidade, é junto com o rival, os dois maiores clubes do DF. Porém. Nacionalmente, ambos estão na 4ª.divisão.

FOTO: bol.com

Post Anterior
Libertadores 2020, atualizando a Fase de Grupos.
Próximo Post
O futebol europeu seguindo em frente - temporada 2020/2021

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.