InícioCompetiçõesCampeonatos Estaduais: grandes clubes locais e rebaixamentos na história.

Campeonatos Estaduais: grandes clubes locais e rebaixamentos na história.

Nos Estaduais, grandes clubes rebaixados.
O Cruzeiro foi mais um dos grandes clubes do futebol brasileiro a experimentar um rebaixamento no campeonato brasileiro. Recordando que o Grêmio foi o primeiro em 1991, o Fluminense em 1996/1997, o Palmeiras e Botafogo em 2002, o Atlético-MG em 2005, o Corinthians em 2007, o Vasco em 2008-2013-2015, o Palmeiras novamente em 2012, o Botafogo outra vez em 2014 e o Internacional em 2016.
Mas, e na história dos campeonatos estaduais, que clubes grandes ou tradicionais foram parar na 2ª.divisão estadual ? É isso que vamos ver nesta pesquisa, em 21 Estados e no Distrito Federal.

No Rio de Janeiro, nos anos de 1921 e 1922 o Vasco disputou a Série B, pois foi quando o clube criou seu departamento de futebol e naquela época havia este torneio, e não uma 2ª.divisão que somente seria implantada a partir dos anos 1980. O América disputava em 1998 e 1999 uma Fase Seletiva, que não era uma 2ª.divisão. Esta mesmo disputou em 2009, de 2012 a 2015, em 2017, em 2018 jogando as duas divisões por força do regulamento e em 2019. Em 2020 está disputando um torneio de descenso. Já o Bangu, esteve na 2ª.divisão entre 2005 e 2008.

Em São Paulo, a Ponte Preta sucumbia em 1987 indo para a Divisão Intermediária que não disputaria em 1988, retornando somente em 1989, e conseguindo retornar. Anos depois entre 1996 e 1999 esteve na Série A2, retornando em 2000. O rival Guarani, campeão brasileiro de 1978, foi conhecer a Série A2 em 2007, em anos críticos de sua história (esteve em 2007-2008 na 3ª.divisão do brasileiro), onde também retornaria em 2010-2011, e recentemente entre 2014 e 2018, quando conquistaria o título da Séria A2. Lembrando que os dois clubes muitas décadas atrás começaram suas participações da antiga Divisão Intermediária nos anos 1950, mas depois de terem alcançado outros patamares, estes foram seus rebaixamentos no estadual. E a Port.Desportos, que sempre havia disputado a 1ª.divisão paulista, foi rebaixada pela 1ª.vez em 2007, depois em 2013, e está lá desde 2016.

Em Minas Gerais, o América-MG foi rebaixado uma vez, em 2007, retornando no ano seguinte. Em Santa Catarina, caíram o Figueirense em 1986 e o Avaí em 1994, curiosamente junto com o Brusque, os dois que decidiram a 1ª.divisão de 1992 e caindo em 1993. Desde que surgiram no final dos anos 1970, Joinville e Criciúma nunca foram para a 2ª.divisão. No Paraná, o Paraná e sua grande torcida, das origens de Ferroviário, Colorado e Pinheiros, nascia grande com muitos títulos, mas também fracassaria ao passar o ano de 2012 na 2ª.divisão paranaense.

Nos estados da Bahia (Bahia e Vitória), Pernambuco (Sport, Naútico e Santa Cruz) nunca jogaram uma 2ª.divisão. Já no Ceará, Fortaleza e Ceará também não, mas o Ferroviário amargou por 2 anos a 2ª.divisão cearense, entre 2015-2016, e somente subiu para 2017 por desistência do Alto Santo, campeão de 2016. Mas curiosamente, o Ferrim seria vice-estadual da 1ª.divisão contra o Ceará em 2017.

Em Goiás, dois períodos distintos do futebol goiano. Entre 1944 e 1976, o Goiânia com 14 títulos, Atlético (7), Goiás (5) e Vila Nova (4). Desde 1977, tiveram conquistas do Goiás (23), Vila Nova (11), Atlético (7) e Goiânia não mais. Rebaixamentos, somente o Goiás ainda não. Em 2000, Atlético, Vila Nova e Goiânia, jogaram juntos a 1ª.divisão e a 2ª.divisão no mesmo ano, e retornavam em 2001. O Atlético cairia em 2004-2005 para depois retornar a partir de 2006 e conquistar títulos estaduais e nacionais e chegar à 1ª.divisão do Brasileiro algumas vezes. O Goiânia sofreria bastante na 2ª.divisão, ainda em 1998, em 2004, 2006 e de 2008 a 2018, e retorno em 2019. O Vila Nova sofreria um rebaixamento estadual em 2015.

No Distrito Federal, também um futebol com sua história dividida em três épocas. Do início em 1959 até 1975, antes do profissionalismo, Defele e Rabello com 4 conquistas foram os maiores. Entre 1976 e 1996, o Brasília tinha 8 títulos, Taguatinga (5) e Gama (4). Desde 1997, Brasiliense (9) e Gama (8), os rivais da atualidade. Então o Brasília jogaria a 2ª.divisão entre 2001 e 2004, depois em 2008 (campeão), 2012 e desde 2018. O Taguatinga se afastaria do futebol em final de 1999 para retorno em 2018, disputando a 2ª.divisão e chegando à 1ª.divisão de 2019.

No Espírito Santo, os 3 grandes Rio Branco, Desportiva e Vitória além de várias passagens na 2ª.divisão, desde 1999, quando o Rio Branco foi o 1º a jogar a 2ª.divisão, o 3 clubes conquistariam 2 título cada desta divisão. Ainda participaria desta divisão em 2005, 2014 e 2018. O Vitória esteve em 2001-2002, 2008-2009 e 2016 e a Desportiva em 2003, 2006, 2007 e 2012. No Mato Grosso, também uma história de participações e títulos. Com 2ª.divisão existindo desde 1987, o Mixto foi o primeiro a cair, em 2009 e conquistava o título em seu retorno. Agora em 2020 foi novamente rebaixado. O Dom Bosco que sempre disputara a 1ª.divisão, afastou-se entre 2008 e 2013 das competições e retornando em 2014, conquistaria a 2ª.divisão. Já a história dos “Operários” acontecia que em 1994, o Operário-VG tornava-se Operário-EC que em 2002 tornava-se Operário-FC. Em 2009, o Operário-VG que teria sido extinto, retorna na 2ª.divisão em 2009 e depois em 2013 quando consegue retorno para a 1ª.divisão depois de 20 anos. Desde 2014 está na 1ª.divisão. O Operário-EC é considerado extinto, tendo atuado entre 1994-2002. Já o Operário-FC participaria da 2ª.divisão como rebaixado entre 2011 e 2015, campeão neste último ano, passando 2016 e 2017 na 1ª.divisão com outro rebaixamento, 2018, quando conquistava novo título, indo para a 1ª. de 2019 e novo rebaixamento. Então, Mixto, Dom Bosco e Operário-FC conquistaram títulos da 2ª.divisão.

No Estado do Mato Grosso do Sul, surgido em 1979, o Comercial teve apenas duas participações, em 2006 e 2007 na 2ª.divisão. O Operario foi punido com suspensão por 2 anos em 2012, tendo ficado na 2ª.divisão estadual em 2013-2014-2015. O Novoperário fundado em 2010 teve participações ao longo destes anos, na 1ª.divisão, mas foi rebaixado em 2019. Em Alagoas, o CSA que teve uma das ascendências mais interessantes, entre 2016 a 2019, da 4ª. até a 1ª.divisão do brasileiro, já teve seus insucessos no Estado. Jogou a 2ª.divisão em 2004-2005 e depois em 2010. O rival CRB nunca foi rebaixado no estadual.

Como na Bahia e em Pernambuco, e no Rio Grande do Sul (dupla Gre-Nal nunca rebaixada),em Sergipe nenhum dos “grandes” do campeonato local foi rebaixado na história, referindo-se ao Sergipe, Confiança e Itabaiana. Na Paraíba, somente o Auto Esporte na 2ª.divisão em 2005-2006, 2008-2009 e 2019-2020. No Rio Grande do Norte, o sofrimento recente do Alecrim, na 2ª.divisão em 2018-2019, com a triste coincidência de ter levado gols no minuto final, em 2018 perdendo o título e a vaga, e em 2019, levando o jogo para os pênaltis e sendo vice novamente. Estará em 2020 novamente. No Piauí, o Flamengo foi o único rebaixado, jogando a 2ª.divisão em 2007 e ausente em 2008, assim como o River, ausente em 1992 junto com o Flamengo e Piauí (este ainda ficaria fora até 1999 e 2001). Já o Tiradentes jogou a 1ª.divisão entre 1972 e 1992, e ainda em 1995 e ausente em 1977.

E concluindo nossa pesquisa pelos estados do Brasil, no Pará a tradicional Tuna Luso vai sofrendo, ausente do campeonato estadual e suas rivalidades com Remo e Paysandu, desde os anos 2012-2013. Esteve na Fase Seletiva (espécie de fase classificatória fora do formato do estadual) nos anos de 2005-2006-2007 e 2009-2010-2011, e também em 2014 e 2015. Na 2ª.divisão mesmo, desde 2014. No Maranhão, o Sampaio sempre ficou na elite local, mas o Moto Clube esteve na 2ª.divisão nos anos de 2009-2010 e 2013, e o Maranhão em 2015. Os 2 clubes foram campeões na 2ª.divisão. E no Amazonas, o Rio Negro foi rebaixado em 2008 e no mesmo ano na 2ª.divisão retornava. Mais rebaixamentos em 2010, 2014 e 2019, este último mesmo assim permanecendo em 2020 na 1ª.divisão. O Nacional teve uma ausência em 1997 juntamente até com o Rio Negro que já havia ficado ausente em 1977-1978, 1991 e 1994. O Fast afastou-se 1998, 2003 e 2005, e considerando que a 2ª.divisão existe oficialmente desde 2007. Já o São Raimundo, com 7 títulos estaduais e tricampeão da Copa Norte, foi rebaixado em 2017 para no mesmo disputar a 2ª. e retornar. Outro rebaixamento em 2018, disputando a 2ª. em 2019 e retornando em 2020 na 1ª.divisão.

Em conclusão vemos que “grandes clubes estaduais” já passaram por rebaixamentos estaduais, muito mais que poderíamos imaginar. Fora mesmo ficaram os grandes de Rio Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Bahia, Pernambucano e Sergipe. Apenas 6 Estados dentre os 22 campeonatos estaduais pesquisados. Ficaram fora o Acre, Amapá, Rondônia, Roraima e Tocantins.

FOTO: diaadianotícias.com

Post Anterior
Conjunto de Confrontos, os grandes clubes contra times do Dist.Federal e Esp.Santo, parte 8b.
Próximo Post
Goleadas entre Seleções com mais de 10 gols marcados.

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.