InícioMomento HistóricoEspecial História das Copas, capítulo 8/10.

Especial História das Copas, capítulo 8/10.

História das Copas – capítulo 8/10
E a Copa da Rússia chegando, vamos visitar neste capítulo aqueles resultados inesperados, aqueles que o torcedor gostaria de ter sido diferente para sua seleção, e até pela opinião geral dos desportistas.
E se estes resultados não tivessem acontecido, como teria ficado as fases seguintes.

São 20 copas já disputadas, e no início podia ser difícil considerar um favoritismo ou tradição de seleções. Tudo era novo, e não tínhamos a noção de Brasil, Argentina, Itália, Alemanha, etc…

As primeiras Copas
Transcorreram normalmente, pois a questão de favoritismo era algo ainda indefinido. Assim, Uruguai e Itália faturaram os 3 primeiros títulos.

Então veio a 2ª.guerra mundial para separar 12 anos para a 4ª. Copa do Mundo, e assim começamos com um resultado inesperadíssimo, o Brasil não conseguir empatar com o Uruguai. A tragédia do Maracanã se evitada, colocaria o Brasil como a 3ª.seleção campeã mundial, a melhor campanha e aquela festa no Maracanã com 200 mil pessoas. Brasil campeão do mundo em 1950.

Em 1954, o atacante húngaro Kocsis, artilheiro da Copa, da campeã Hungria, a 1ª.seleção do bloco comunista a ser campeã do mundo com uma campanha de gols. A Alemanha não teria suportado o ataque adversário, como na primeira fase quando perdera de 8×3. Não teria conseguido virar aquele 2×0 para 3×2 em Berna, Suíça.

As copas seguintes, 1958 e 1962, o Brasil chegaria ao tricampeonato mundial, com os destaques de Pelé e Garrincha. O melhor futebol do mundo. Três conquistas em 6 edições da copa.

Os anos 1960, 1970 e 1980.
O Brasil decepcionava com a eliminação na primeira fase para Hungria e Portugal, esta que seria o destaque da Copa de 1966 na Inglaterra. Os donos da casa não teriam conseguido passar pelo Portugal de Eusébio, o artilheiro da copa com 8 gols. Numa decisão contra os Alemães que buscavam o bicampeonato, os portugueses seriam superiores e conquistariam o título mundial.

Mas 1970, o Brasil já seria tetra, com a maior seleção das copas, nas 6 vitórias na Copa do México.

Chegaria a vez do carrossel holandês, a laranja mecânica, que em 1974, com Neeskens, Rep e Cruif conquistariam o título mundial na decisão contra a Alemanha, que não conseguiria virar o placar de 1×0. A Holanda seria a 6ª. seleção campeã do mundo, atrás dos títulos de Brasil (4), Itália (2), Uruguai (1), Alemanha (1) e Portugal (1).

Em 1978 na Argentina, a seleção peruana de Teofilo Cubillas não teria tomado aqueles gols todos, e então quem passaria para a decisão seria a Seleção Brasileira, que ficou pela impressa brasileira como “campeã moral” em virtude da imoralidade que fora aqueles 6×0 sobre o Peru. Mas na decisão, a forte ainda Holanda conseguiria o bicampeonato mundial, ainda com alguns dos jogadores da campanha de 1974.

Chegamos então em 1982, e não teria acontecido a “tragédia do sarriá” seja pelo gol anulado do italiano Paolo Rossi, o 3º.gol dentro da pequena área, ou o gol que Paulo Isidoro marcaria no último minuto em cabeçada que Dino Zoff não conseguiria pegar. O Brasil passaria para as Semifinais contra a Polônia, mas aí seria demais imaginar que o Brasil decidiria a copa contra Alemanha ou contra a França, por mais que esta até merecesse passar pelos alemães naquela semifinal de 3×3 na prorrogação. O campeão desta copa fica a gosto de cada um. Pelo menos o Brasil não teria sido eliminado pela a Itália daquela forma. França campeã.

Mais quatro anos e novamente no México, o 1º.país a ser sede por duas vezes. Aqui abusaremos de mudar a história. Zico não teria perdido aquele pênalti aos 30 do 2º.tempo contra a França, e o México surpreenderia a Alemanha nos pênaltis depois do 0x0 no tempo normal e prorrogação. E mais ainda, o gol da “mão de deus” que declarou o argentino Diego Maradona (com a mão, o 1º.gol da Argentina), e o ingleses conseguiriam passar pelos argentinos. E porque não a Espanha também ganhando da Bélgica nos pênaltis. Assim, as semifinais teriam sido Brasil x México e Inglaterra x Espanha. A copa não teria sido de Maradona, a Argentina não teria nenhum título mundial e quem sabe Brasil x Alemanha teriam ido para a decisão, 16 anos antes de 2002.

Dos anos 1990 até 1998
Na Itália em 1990, a chance dos italianos tornarem-se tricampeões, pois em 1982 teria sido eliminada pelo Brasil. Na copa sempre lembrada como a de pior índice técnico dos jogos, muitos empates, prorrogações e pênaltis. Desta forma mexendo nos resultados, o argentino Canighia poderia ter perdido aquele gol após lançamento de Maradona nas Oitavas de Finais, Camarões não teria sido derrotado pela Inglaterra na prorrogação, que aconteceu porque os ingleses empataram no tempo normal no último minuto, ou que a própria Itália fosse para a decisão, pois o goleiro argentino Goycochea não teria pego o pênalti do italiano. E quem sabe os ingleses do artilheiro Gary Lineker teriam ido para a decisão, eliminando o futebol rígido da Alemanha, repetindo um vitória na prorrogação como em 1966. Os italianos teriam sido tricampeões jogando em seu país.

Na Copa nos Estados Unidos, diante do maior público em estádios da história, o que chama a atenção foi que a Seleção Brasileira passou por Holanda e Suécia de forma bastante eficiente, tanto pelo gol de Branco de falta, quanto de cabeçada de Romário, respectivamente. Poderia ter sido diferente. A Itália foi passando de fase graças ao Roberto Baggio, e a Romênia de Hagi parando nos pênaltis contra a Suécia, depois de ter passado pela Argentina de Maradona, em sua última copa. A Alemanha também ficando contra a Bulgária nas Quartas de Finais, do meia Stoitchkov. Mas o Brasil teria sido pentacampeão.

Em 1998, na França, as Quartas de Finais foram bastante disputadas com o Brasil vencendo a Dinamarca por 3×2, a vitória nos pênaltis da França contra a Itália (fariam a decisão de 2006, com pênaltis a favor dos italianos), a derrota da Alemanha para a Croácia por 3×0 e também a Holanda passando pela a Argentina. Se a Itália tivesse eliminado a França nos pênaltis, e os alemães passado pela Croácia, que semifinal entre Alemanha x Itália (que viria acontecer em 2006). Daí sem os pênaltis pegos por Taffarel, a Holanda teria ido para decisão contra uma Alemanha, por exemplo, e seria tricampeã do mundo (consideramos os holandeses campeões em 1974 e 1978).

Olha então que até aqui o Brasil teria 5 títulos (1950-1958-1962-1970-1994), a Itália (1934-1938-1990), a Holanda (1974-1978-1998), Uruguai (1930), Alemanha (1986), Portugal (1966) e quem sabe França (1982).

As últimas copas
Em 2002, que nada de Turquia e Coréia do Sul nas semifinais. A Espanha teria passado pelos sul-coreanos nas Quartas de Finais, mas a Turquia tinha passado por Senegal que passara por Suécia, e a Turquia anteriormente pelo Japão. Este chaveamento ficou assim pois Senegal eliminara Uruguai e França na primeira fase, enquanto a Dinamarca ficaria contra a Inglaterra. A Coréia do Sul tinha superado Portugal e Polônia na fase de grupos, e passando junto com os Estados Unidos. No tal “grupo da morte, a Argentina fora eliminada por Suécia (1º.) e Inglaterra (2ª.), e a Suécia pegando Senegal. Em outro grupo, o México em 1º. e a Itália em 2º., os mexicanos jogando contra os Estados Unidos e os italianos já ficando contra a Coréia do Sul no “gol de ouro da prorrogação”. Em resumo, foram os resultados da primeira fase que fizeram confrontos atípicos, levando Turquia e Coréia do Sul para as semifinais. No final, Brasil campeão com dois gols de Ronaldo.

Neste momento da história das copas, a Alemanha só teria o título de 1986, como ? Isso mesmo, os Argentinos eliminados pela Inglaterra com o gol anulado de Maradona. Os alemães campeãs sobre o Brasil com muitos da geração de 1982. Então a chance de conquistar o título em casa, já que em 1974, o carrossel holandês de Cruiff havia sido campeão. Nossa, que mistura da história. Mas sem surpresas, as principais seleções passaram bem pela fase de grupos e Oitavas, com aqueles grandes confrontos nas Quartas de Finais, e também duas boas disputadas entre Itália x Alemanha, desta vez com os Alemães vencendo (diferente de 1970), e a boa seleção portuguesa de Luis Felipe Scolari passando pela França e reencontrando a Alemanha (como nas semifinais de 1982, quando a França passava na prorrogação e seria campeã mundial). Na Decisão entre Alemanha x Portugal, a renovada geração de jogadores do país sede comemorando o 2º.título mundial.

Em 2010, na 1ª.copa realizada na África, duas baixas logo na primeira fase, com a eliminação de França e Itália, epa ! as finalistas da realidade de 2006, e prosseguindo as outras mais favoritas. Apesar dos confrontos entre Alemanha x Inglaterra e Espanha x Portugal nas Oitavas, as fases seguintes foram bem disputadas, e mais uma vez a Holanda, tricampeã mundial chegaria a decisão contra a Espanha, de sua grande geração. Vamos manter a conquista da Espanha.

E finalmente em 2014, o tricampeonato da Alemanha ou não, que teria passado contra o Brasil nas semifinais, após empate com gols e uma disputa de pênaltis em que os alemães teriam sido mais competentes. A decepção dos torcedores brasileiros, ao sediar a 2ª.copa do mundo, seria por uma derrota nos pênaltis e não por aquele placar a esquecer. E que tal mais uma final da Holanda, ao passar também pelos pênaltis contra a Argentina. Afinal, a geração de Robben, Sneider e Van Persie. Holandeses tetra campeões !!!!

Post Anterior
Diário da Copa 1 - 14jun18 - Abertura
Próximo Post
Diário da Copa 2 - 15jun18 - rodada dos grupos A e B.

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.