InícioCompetiçõesO futebol no Norte do Brasil, AC, AP, RO, RR e TO

O futebol no Norte do Brasil, AC, AP, RO, RR e TO

Futebol do Norte do País.
Até o início dos anos 1990, quatro territórios brasileiros já tinham a prática do futebol, mas de forma amadora. Com a transformação de território em Estado, clubes mais antigos e outros que surgiam passaram ao modelo do profissionalismo. E é esta transformação que veremos a seguir, com o futebol do passado e o que ocorre hoje nos Estados do Acre, Amapá, Rondônia e Roraima. Junto a estes vamos ver surgir o futebol no Estado do Tocantins, área que fazia parte do Estado de Goiás, e que teve de iniciar tudo em termos de futebol.

ACRE
Apesar de seu principal clube, o Rio Branco, ter sido fundado em 1919, somente a partir de 1947 com o surgimento da Federação de Futebol do Estado do Acre, é que passou a ser disputado o campeonato acreano. A região também passou por dois momentos importantes de sua história, tornando-se território brasileiro somente em 1903 (anteriormente pertencente à Bolívia), e como estado (unidade federativa) do Brasil, a partir de 1990. Então com o início de seu campeonato, ainda amador, o Rio Branco conquistava sua 1ª.edição em 1947 e pelo menos nas quatro décadas seguintes, foi se tornando um grande vencedor, que ora tinha confrontos mais rivalizados com o Atlético, o Independência e Juventus, que juntos conquistaram 41 campeonatos dos 45 disputados entre 1947 e 1990.
Nos primeiros dez anos desde novo momento acontecia um equilíbrio muito grande e alternância de campeões. Em 1997, o Rio Branco conquista o primeiro título fora do estado, o da Copa Norte, em decisão contra o Remo. Virando para o ano 2000, o Rio Branco vem garantir um superioridade de 9 títulos em 11 anos (2002-2012), contribuindo até para uma instabilidade no futebol local, já que clubes com o Atlético, o Juventus e o Independência, passavam por dificuldades até de estarem presentes nos campeonatos. Somente duas surpresas ocorreram em 2013 com o Plácido de Castro e em 2016 com o Atlético, que se tornaram campeões estaduais. Em termos de títulos conquistados, segue o Rio Branco com 30 taças, e depois Juventus com 14 e Independência com 12 e o Atlético com 8 taças. O futebol local ainda tem limitações em sua estrutura, e dependerá de muito esforço para alcançar um nível melhor, nacionalmente. Atualmente, tem um representante na Copa do Brasil e também no brasileiro da 4ª.divisão. O máximo que um clube do estado chegou foi a 2ª.divisão do brasileiro, com o Rio Branco.

Campeonato Acreano
1991 Atlético (6) – Juventus (11)
1992 Rio Branco (16) –
1993 Independência (11) – ADESG (-)
1994 Rio Branco (17) – Juventus (11)
1995 Juventus (12) – Rio Branco (17)
1996 Juventus (13) – Rio Branco (17)
1997 Rio Branco (18) – Independência (11)
1998 Independência (12) – Rio Branco (18)
1999 Vasco (2) – Independência (12)
2000 Rio Branco (19) – Independência (12)
2001 Vasco (3) – Rio Branco (19)
2002 Rio Branco (20) – Vasco (3)
2003 Rio Branco (21) – Vasco (3)
2004 Rio Branco (22) – Juventus (13)
2005 Rio Branco (23) – ADESG (-)
2006 ADESG (1) – Rio Branco (23)
2007 Rio Branco (24) – Andirá (-)
2008 Rio Branco (25) – Juventus (13)
2009 Juventus (14) – Rio Branco (25)
2010 Rio Branco (26) – Náuas (-)
2011 Rio Branco (27) – Plácido de Castro (-)
2012 Rio Branco (28) – Atlético (6)
2013 Plácido de Castro (1) – Rio Branco (28)
2014 Rio Branco (29) – Atlético (6)
2015 Rio Branco (30) – Galvez (-)
2016 Atlético (7) – Rio Branco (30)
2017 Atlético (8) – Rio Branco (30)

Rio Branco (30), Juventus (14), Independência (12), Atlético (8), Vasco (3), América (2), Plácido de Castro (1), Grêmio (1) e ADESG (1).

AMAPÁ
A região teve posse do Brasil em 1900, após ter sido dominada por franceses, portugueses e holandeses no século XIX. Em 1944 é disputado o primeiro campeonato e no ano seguinte é fundada a Federação Amapaense de Futebol que passava a administrar o futebol no território. Nos primeiros anos de disputa o campeonato ora era conquistado pelo Macapá ora pelo Amapá. Já nos anos 1960 surgem o Santana e o Juventus como campeões. Ao completar 25 anos de disputa, o maior campeão é o Macapá com 10 títulos, seguido de Amapá (4), Juventus (4) e Santana (3). Entrando pelos anos 1970, surgem novos campeões como o São José, Ypiranga, Guarani, Independente e Trem. Em 1988 o território do Amapá é elevado a categoria de Estado pela Constituição do Brasil. Junto a isso, há um discreto profissionalismo de suas equipes, e nos primeiros anos ainda prosseguem na disputa. Porém as dificuldades financeiras afastam o Macapá e o Amapá. O Ypiranga surge como grande força chegando a 8 conquistas em 2004, mas sofre dificuldades e se afasta nos anos seguintes. Nos últimos dez anos o campeonato amapaense tem sido disputado por São José, Trem e Santos, que tem conquistado os títulos. Os tradicionais Santana e Independente ficam em um nível inferior. A cada ano sempre há dúvidas de quantas equipes estarão participando do campeonato. Em competições nacionais, o Estado sempre tem vagas na Copa do Brasil e na 4ª.divisão do campeonato brasileiro. Também participou da Copa Norte em 1997 e 2002. O máximo que um clube do Estado conseguiu foi participar da 3ª.divisão nacional, no distante ano de 1992.
As transformações no futebol amapaense não foram tão significativas, principalmente pelas condições financeiras e estruturais da região. Assim prosseguiram com os campeonatos, até com exceção de 1996, quando não foi disputado. E nos primeiros 15 anos, uma pequena supremacia do Ypiranga, fundado em 1963, que conquistaria 7 títulos até 2004. Ao passar dos anos, sempre um campeão diferente dos anos anteriores, e outros que ficavam apenas com o vice-campeonato. Já nos anos 1990, os clubes do Estado, geralmente o seu campeão estadual – as vezes desistia e cedia a vaga para outro interessado – passaram a ter direito a uma vaga na 3ª.divisão do campeonato brasileiro, e também na Copa do Brasil. Em 25 anos de disputa entre 1991 e 2016, foram 9 campeões diferentes. E ainda os maiores vencedores, o Macapá (19 títulos – última em 1991 – último em 1990) e o Amapá (10 títulos) continuam a frente dos demais, e somente o Ypiranga com suas conquistas entre 1992 e 2003, chegava aos 8 títulos no total. E assim, a cada ano se espera pelos participantes, e o futebol vai sobrevivendo.

Campeonato Amapense
1991 Macapá (17) – Amapá (10)
1992 Ypiranga (2) – Trem (2)
1993 São José (3) – Amapá (10)
1994 Ypiranga (3) – Macapá (17)
1995 Independente (4) – Cristal (-)
1996 –
1997 Ypiranga (4) – São José (3)
1998 Aliança (1) – Ypiranga (4)
1999 Ypiranga (5) – Aliança (1)
2000 Santos (1) – Mazagão (-)
2001 Independente (5) – São José (3)
2002 Ypiranga (6) – Independente (5)
2003 Ypiranga (7) – Independente (5)
2004 Ypiranga (8) – São José (3)
2005 São José (4) – Amapá (10)
2006 São José (5) – Amapá (10)
2007 Trem (3) – Cristal (-)
2008 Cristal (1) – São José (5)
2009 São José (6) – Santana (6)
2010 Trem (4) – Santana (6)
2011 Trem (5) – Santos (1)
2012 Oratório (1) – Santos (1)
2013 Santos (2) – Macapá (17)
2014 Santos (3) – São Paulo (-)
2015 Santos (4) – Trem (5)
2016 Santos (5) – Trem (5)

Macapá (17), Amapá (10), Ypiranga (8), São José (6), Santana (6), Santos (5), Independente (5), Trem (5), Juventus (4), Oratório (1), CEA (1), Guarani (1), Aliança (1) e Cristal (1).

RONDONIA
Estado localizado na Região Norte, sua capital, Porto Velho, habitante Rondoniano. População estimada em 1.241.276 hab. distribuída numa área de 238.512 km2. Tem como principais cidades: Porto Velho, Ji-Paraná, Ariquemes e Cacoalense. Até o século
XVII apenas algumas missões religiosas estão instaladas na região. Com a descoberta do ouro no vale do rio Guaporé e a exploração da borracha, muitos migrantes, vindos principalmente do Nordeste, ocupam a região, que era formada por terras pertencentes aos estados do Amazonas e do Mato Grosso. Em 1943, é criado o território com o nome de Guaporé. A cidade de Porto Velho originou-se de um núcleo de colonos enviados para a construção da ferrovia Madeira-Mamoré. Em fevereiro de 1956, em homenagem ao marechal Candido Rondon, um dos desbravadores da área, o território passa a chamar-se Rondônia, tornando-se Estado em 1981.
Disputado desde meados da década de 40, o futebol de Rondônia teve uma grande rivalidade entre Ferroviário, Flamengo e Moto Clube. O Ferroviário já nos primeiros anos sagrou-se hepta-campeão, e até 1989 alcançaria um total de 17 títulos, destacando
mais três bi-campeonatos (57-58, 78-79 e 86-87). O Flamengo prevaleceu nos anos 60, com dois tri-campeonatos (60-61-62 e 65-66-67). E formando o trio da capital, o Moto Clube dominou entre 1968 e 1981, com nove conquistas, tri-campeão (75-76-77) e bi-campeão (68-69 e 80-81). Em quarenta anos de disputa, o estadual passou pela transformação para o profissionalismo. Em 1988 e 1990, o campeonato não foi disputado. E neste segundo período, o grande destaque tem sido sem dúvida a equipe do Ji-Paraná, fundado em 1991 que entre 1991 e 2001 faturava 8 títulos estaduais. Nos anos seguintes, União Cacoalense, Ulbra e Vilhena conquistavam títulos seguidos. Porém, de 2015 pra cá, 3 novos campeões rondonienses. O nível do futebol e dos clubes é muito parelho, e uma supremacia pode durar apenas poucos anos. Em quase 3 décadas de disputa profissional, Ferroviário, Flamengo e Moto Clube seguem como os maiores campeões.

Campeonato Rondoniense
1991 Ji-Paraná (1) – Ferroviário (17)
1992 Ji-Paraná (2) – Grêmio (-)
1993 Ariquemes (1) – Ji-Paraná (2)
1994 Ariquemes (2) – Ji-Paraná (2)
1995 Ji-Paraná (3) – Ariquemes (2)
1996 Ji-Paraná (4) – Cruzeiro (-)
1997 Ji-Paraná (5) – Ouro Preto (-)
1998 Ji-Paraná (6) – Cruzeiro (-)
1999 Ji-Paraná (7) – Pinheiro (-)
2000 Guajará (1) – Genus (-)
2001 Ji-Paraná (8) – União Cacoalense (-)
2002 CFAmazônia (1) – União Cacoalense (-)
2003 União Cacoalense (1) – CFAmazônia (1)
2004 União Cacoalense (2) – Ji-Paraná (8)
2005 Vilhena (1) – Ji-Paraná (8)
2006 Ulbra (1) – Vilhena (1)
2007 Ulbra (2) – Jaruense (-)
2008 Ulbra (3) – Vilhena (1)
2009 Vilhena (2) – Genus (-)
2010 Vilhena (3) – Ariquemes (2)
2011 Espigão (1) – Ariquemes (2)
2012 Ji-Paraná (9) – Espigão (1)
2013 Vilhena (4) – Pimentense (-)
2014 Vilhena (5) – Ariquemes (2)
2015 Gênus (1) – Vilhena (5)
2016 Rondoniense (1) – Gênus (1)
2017 Real Desportivo (1) – Barcelona (-)

Entre 1945-1989
Ferroviário (17), Flamengo (10), Moto Clube (10), Ypiranga (5), Botafogo (1) e São Domingos (1).
Desde 1991
Ji-Paraná (9), Vilhena (5), Ulbra (3), União Cocalense (2), Ariquemes (2), Real Desportivo (1), Rondoniense (1), Gênus (1), Guajará (1), CFAmazônia (1) e Espigão (1).

RORAIMA
Estado localizado na Região Norte, sua capital, Boa Vista-RR, habitante Roraimense. População estimada em 241.000 hab. distribuída numa área de 225.116 km2. Tem como principais cidades: Boa Vista, Mucajaí, Alto Alegre e Normandia. Região disputada pelo europeus no século XVI. Já no século XVIII, após grande extermínio indígena, ocorre a fixação de povoados e em 1858 é criado a freguesia de Nossa Senhora do Carmo, transformada em município de Boa Vista em 1890. No início do século XX, a maior parte das terras da região do lago Pirara é retirada do Brasil e incorporada à Guiana Inglesa. Em 1943, com área desmembrada do Amazonas, é criado o território do Rio Branco. Quase dez anos depois, passa-se a chamar território de Roraima. Com a riqueza de jazidas de bauxita, cobre e cassiterita, ocorre uma efetiva ocupação do território, que é transformado em Estado em 1988.
Os clubes do estado surgiram antes da criação da própria federação. O mais antigo, o Atl.Roraima foi fundado em 1944, o Baré em 46 e o Atl.Progresso em 59 formam o grupo dos mais antigos. O Atl.Roraima vai dominando o estadual com 18 conquistas, mas muito enfraquecido desde o último título em 2009. Desde então, São Raimundo e Náutico vão fazendo duelos a cada ano. Nem mesmo o tradicional Baré que poderia aproximar em conquistas ao Atl.Roraima tem sido tão eficiente. Uma característica do futebol roraimiense é a altíssima média de gols a cada ano. Com relação ao Amapá e a Rondônia, e mais semelhante ao Acre, em Roraima os clubes historicamente permanecem disputando o campeonato na liga profissional, com boa sequência das conquistas.

Campeonato Roraimiense
1995 Atl.Roraima (11) – Baré (4)
1996 Baré (5) – GAS (-)
1997 Baré (6) – São Raimundo (2)
1998 Atl.Roraima (12) – Baré (6)
1999 Baré (7) – Rio Negro (1)
2000 Rio Negro (2) – Atl.Roraima (12)
2001 Atl.Roraima (13) – Rio Negro (2)
2002 Atl.Roraima (14) – Baré (7)
2003 Atl.Roraima (15) – Baré (7)
2004 São Raimundo (3) – Atl.Roraima (15)
2005 São Raimundo (4) – Atl.Roraima (15)
2006 Baré (8) – Atl.Roraima (15)
2007 Atl.Roraima (16) – Baré (8)
2008 Atl.Roraima (17) – Atl.Progresso (-)
2009 Atl.Roraima (18) – S.Raimundo (4)
2010 Baré (9) – Náutico (-)
2011 Real (1) – Náutico (-)
2012 São Raimundo (5) – Náutico (-)
2013 Náutico (1) – São Raimundo (5)
2014 São Raimundo (6) – Náutico (1)
2015 Náutico (2) – Baré (9)
2016 São Raimundo (7) – Baré (9)
2017 São Raimundo (8) – Baré (9)

Atl.Roraima (18), Baré (9), São Raimundo (8), Ríver (3), Rio Negro (2), Náutico (2), São Francisco (2) e Real (1).

TOCANTINS
Na região centro-oeste do País, o Estado de Goiás era o de maior área. Na Assembleia Nacional Constituinte de 1988, fica estabelecida as condições para a criação de novos Estados dentro do território brasileiro. Então, toda extensão norte do Estado de Goiás é emancipado (datava de 1821 as primeiras ideias de luta pela emancipação da região) em 05/10/1988, passando a vigorar a partir de 1 de janeiro do ano seguinte. O novo estado passava a existir, e diferente do que podia se imaginar, viria a fazer parte da região norte do País. A região, cortada por diversos rios importantes do centro do país, começava a desenvolver-se tendo como principais cidades, Palmas (capital), Araguaína, Gurupi, Porto Nacional e Paraíso do Tocantins. A área total do Estado ocuparia 277 mil km quadrados.
O futebol então também aparece em várias cidades. Em 1993, tem-se oficialmente a disputa do primeiro campeonato estadual do Tocantins, conquistado pelo Tocantinópolis. Os anos vão se passando e em pouco mais de 20 anos de disputa já são 10 campeões diferentes. É ainda um futebol caracterizado por limitações de uma região não muito desenvolvida e uma população total estimada em pouco mais de 1,5 milhão de pessoas. A primeira participação de clube em competição nacional ocorreu em 1994, com o União Araguainense, na 3ª.divisão do Brasileiro, vaga garantida por ter conquistado o título estadual do mesmo ano. Seguiram-se Intercap, Gurupi, Kaburé, Palmas, Tocantinópolis, Alvorada e Araguaína nos seguintes.
Em 2009, com a criação da 4ª.divisão nacional, o Estado tinha apenas garantida uma vaga nesta divisão. Então Tocantins, Araguaína, Tocantinópolis, Gurupi, Interporto e Palmas foram os clubes de participariam desta divisão. As melhores campanhas dos clubes do Tocantins fora o Araguaína que em 2010, subiria da 4ª.divisão para a 3ª.divisão. Também 10 clubes diferentes participaram da Copa do Brasil entre em 1994 e 2015, e a melhor campanha foi do Palmas, em 1994 quando chegou até as Quartas de Finais. Outra competição que teve clubes do Tocantins participando foi a Copa Centro-Oeste entre 1999 e 2002, com Interporto e Palmas, duas vezes cada. No calendário atual é disputada a Copa Verde, desde 2014, com participação do Interporto em 2014 e do Tocantinópolis em 2015. Entre os anos de 1995 e 1997 foi disputa a Copa Tocantins. Desde 2011 é disputado o campeonato da 2ª.divisão, e a Federação possui hoje, cerca de 20 clubes em atividade.
No estadual, Gurupi e Palmas são os maiores campeões, seguidos por Interporto e Tocantinópolis.

Campeonato Tocantinense
1993 Tocantinópolis (1) – (-)
1994 União Araguaiense (1) – Tocantins-M (-)
1995 Intercap (1) – Gurupi (-)
1996 Gurupi (1) – Kaburé (-)
1997 Gurupi (2) – Interporto (-)
1998 Alvorada (1) – Palmas (-)
1999 Interporto (1) – Tocantinópolis (1)
2000 Palmas (1) – Interporto (1)
2001 Palmas (2) – Tocantinópolis (1)
2002 Tocantinópolis (2) – Palmas (2)
2003 Palmas (3) – Gurupi (2)
2004 Palmas (4) – Araguaína (-)
2005 Colinas (1) – Araguaína (-)
2006 Araguaína (1) – Tocantinópolis (1)
2007 Palmas (5) – Araguaína (1)
2008 Tocantins-P (1) – Gurupi (2)
2009 Araguaína (2) – Palmas (5)
2010 Gurupi (3) – Araguaína (2)
2011 Gurupi (4) – Interporto (1)
2012 Gurupi (5) – Tocantinópolis (2)
2013 Interporto (2) – Gurupi (5)
2014 Interporto (3) – Tocantinópolis (2)
2015 Tocantinópolis (3) – Interporto (3)
2016 Gurupi (6) – Tocantins-M (-)
2017 Interporto (4) – Sparta (-)

Gurupi (6), Palmas (5), Interporto (4), Tocantinópolis (3), Araguaína (2), União Araguainense (1), Intercap (1), Alvorada (1), Colinas (1) e Tocantins-P (1).

Post Anterior
Competições em andamento neste meio de semana
Próximo Post
Seleção dos Estados Unidos campeã da Gold Cup 2017

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.