InícioMomento HistóricoParticipações de clubes em comp.nacionais 1959-2020, parte 3/5.

Participações de clubes em comp.nacionais 1959-2020, parte 3/5.

Quais clubes participaram das Competições Nacionais 1959-2020 – parte 3/5.
Dando seqüência nesta pesquisa (na última postagem alteramos para 3/5 pela grande quantidade de texto necessária) vamos passar pelos anos de 1992 até 1999 e ver o que estava acontecendo nas divisões do Brasileiro.

1992-1993
No 1º.semestre de 1992, a disputas das divisões do Brasileiro. Na 1ª. os 20 clubes conforme estava programado, jogando todos entre si em 19 rodadas, e com os 8 primeiros colocados seguindo na competição, diferente de 1991 quando somente 4 seguiram. Então estes 8 clubes formavam 2 grupos com Flamengo, Vasco, Santos e São Paulo num deles e Corinthians, Cruzeiro, Botafogo e o Bragantino (novamente nas primeiras colocações). A decisão seria com o clássico Flamengo x Botafogo, repetindo um “clássico carioca” como tinha sido Fluminense x Vasco em 1984. Os rebaixados foram Náutico-PE e Paysandu-PA, este último que tinha subido para 1992.

Se a 2ª.divisão de 1991 teve 64 clubes, em 1992 seriam 32 participantes, mais reduzida e com a presença do Grêmio, historicamente o 1º.grande dos 12 maiores do país a ser rebaixado. Mas também tinha Santa Cruz-PE, Ceará-CE, Coritiba-PR (campeão brasileiro de 1985), América-MG e Ponte Preta-SP dentre outros.
Da primeira fase classificavam-se os 3 melhores dos 4 grupos e assim estes 12 clubes seguiam para outra fase em grupos. A disputa até a decisão prometia bons confrontos. Mas pasmem, estes 12 clubes “já” estavam garantidos em 1993, que passariam a ter 32 participantes, e Náutico-PE e Paysandu-PA não seriam rebaixados. E nesta garantia de acesso, o Grêmio nem passou da Segunda Fase, ficando na 9ª.colocação geral. O título ficava com o Paraná-PR na decisão contra o Vitória-BA.
Não esquecendo que em 1992 tivemos uma 3ª.divisão com 31 clubes (não sei como definem estes números “primos” !!!!). E com clubes desconhecidos Macapá-AP, Ji-Paraná-RO, Izabelense-PA, Vitória-PE, Rio Pardo-ES, Matsubara-PR e Rio Branco-MG, que depois de duas fases de grupos, a decisão entre Fluminense-BA x Tuna Luso-PA com título dos paraenses. Mas o pior ao final seria que a Tuna Luso não iria para a 2ª.divisão de 1993, que não existiu.

Entrávamos em 1993 e o calendário seria invertido novamente, com os Estaduais no 1º.semestre e as Divisões do Brasileiro no 2º.semestre – Irônico que nunca se teve a idéia de transformar o calendário brasileiro com na Europa, começando em julho e indo até maio do ano seguinte. Alguns países aqui na América do Sul começavam a adotar esta posição com os Torneios Apertura e Torneios Clausura.
Mas indo para a 1ª.divisão do Brasileiro, o que fazer com 32 times, dando passo para trás depois de ter chegado ao número que todos preconizavam de 20 clubes. Lembrando 1985, em vez de dividir sob critérios gerais de força e nível das equipes, colocaram os 16 mais tradicionais, com o 9º.colocado Grêmio neste grupo. Clubes como Port.Desportos e Goiás que ficaram a frente do Bahia, e os 3 clubes até a 18ª.colocação (tirando Náutico-PE e Paysandu-PA que teriam sido rebaixados) também foram para os “outros 16”, mas o Bahia nos “primeiros 16”. Também lembramos disso da Copa União de 1987. Enquanto nos grupos A/B haveriam vencedores de turnos, nos grupos C/D seria corrido em 14 rodadas para então um play-off por duas vagas.
A segunda fase seriam 8 clubes em dois quadrangulares (como em 1992) e a surpresa Vitória-BA decidindo o campeonato com o Palmeiras, com o título paulista. Rebaixamento ? A princípio redução dos 32 para 24 clubes em 1994.

E a 2ª.divisão de 1993 teria quantos clubes mesmo ? Outro “reboot”. Cerca de 71 clubes em Torneios Seletivos que definiram 10 classificados, mais os 8 rebaixados de 1993 da 1ª.divisão e mais 6 classificados de um play-off, totalizando 24 na 2ª.divisão de 1994.

1994
Como aconteciam coisas no nosso futebol. A Supercopa de 1991 teve somente uma edição. O Calendário invertia os semestres com Estaduais e Brasileiros. As divisões dos Brasileiros não seguiam nenhum critério, alterando quantidade de participantes e torneios sem campeões.
Nossos melhores jogadores estavam quase todos na Itália, e outros países. Nossa seleção contando os 4 e 4 anos que não conquistava um título mundial.
Outros esportes se destacavam como o Volei e a Fórmula Um com nossos tricampeões Nelson Piquet e Ayrton Senna, que justamente em 1994 encerraria tragicamente sua carreira.

A 1ª.divisão do Brasileiro iria começar em agosto e ninguém teria imaginado no início do ano que seríamos tetra campeões do Mundo. Mas lamentaríamos muito a perda do Ayrton Senna.
Em campo, começava o Brasileiro com 24 clubes divididos em 4 grupos com 6 times e 10 rodadas na primeira fase. Na seqüência os 4 primeiros formavam dois grupos de 8 clubes enquanto os 8 restantes fariam uma repescagem. Em dois turnos distintos dos Grupos G/H, seus vencedores garantiam vaga nas Quartas de Finais (este ano sem os 2 quadrangulares). Da repescagem, em 14 rodadas, os 2 primeiros seguiam, classificados Bragantino-SP (ele de novo) e o Atlético-MG. O rival Cruzeiro ficava pra trás, mas a frente de Remo-PA e Náutico-PE rebaixados (aqui a observação que na classificação acumulada o Cruzeiro teria sido o penúltimo na repescagem e rebaixado). O Palmeiras e sua parceria com a Parmalat chegavam ao bicampeonato, na decisão contra o Corinthians.
A 2ª.divisão de 1994 seguiu direitinho com 24 participantes em duas fases de grupos e o título do Juventude-RS sobre o Goiás na decisão. Por sinal, o Juventude que também tinha um patrocínio da Parmalat. Nesta edição também estiveram clubes como o Atlético-PR, Ceará-CE, Ponte Preta-SP, Londrina-PR, Coritiba-PR, Santa Cruz-PE, Bangu-RJ e Fortaleza-CE. Alguns desconhecidos como Mogi Mirim-SP, Goiatuba-GO, Democrata-GV-MG, Barra do Garças-MT e Tiradentes-DF.
E a 3ª.divisão sim, com 41 clubes (número “primo” novamente ???), dividido em 11 (???) grupos, depois seguindo em mata-mata até a decisão entre Novorizontino-SP e Ferroviária-SP. Mais alguns clubes desconhecidos até aquela época: Sousa-PB, América-PB, Maruinense-SE, Ituano-SP, União Araguainense-TO, Caldas-GO e Batel-PR.

Então, bem estávamos com a estrutura novamente organizada. Boa quantidade de clubes nas divisões tinha sido disputada em 1994, e os rebaixamentos e acessos (dois clubes caindo e dois subindo) sendo respeitados.
E agora seguir em frente, e escutávamos novamente a meta dos 20 clubes nos próximos anos.
O que podemos antecipar foi que as 3 divisões permaneceram no calendário, e também com as disputas sempre no 2º.semestre.

1995-1996-1997
Os 24 participantes da 1ª.divisão de 1995 estavam divididos em 2 grupos com 12 clubes cada e jogariam turnos distintos, dentro dos grupos e depois grupo contra grupo, com vencedores de grupos e turnos, indo Cruzeiro-MG e Fluminense-RJ no 1º.turno, e Botafogo-RJ e Santos-SP pelo 2º.turno. Depois das semifinais, o Botafogo seria o campeão sobre o Santos. Rebaixados Paysandu-PA e União São João-SP.
A 2ª.divisão também com 24 clubes divididos em 4 grupos, e mais duas fases em grupos, e terminando num Quadrangular Final com Atlético-PR campeão, Coritiba-PR subindo e mais Mogi Mirim-SP e Central-PE. Tinham ficado pelo caminho clubes como Remo-PA, Ceará-CE, Santa Cruz-PE, Londrina-PR, América-RN, Náutico-PE e Ponte Preta-SP e Democrata-GV-MG, estes dois rebaixados.
Mas nem tudo é perfeito, e em 1996, a Ponte Preta-SP permaneceu em função do rebaixamento do Barra dos Garças-MT de forma administrativa por dívidas junto a CBF, e um “retorno” do América-MG que estava suspenso por 2 anos por razões da justiça em 1993. Em 1996 com 25 times.
A 3ª.divisão com 32 grupos de 3 ou 4 clubes, seguindo as fases de mata-mata até a decisão entre Xv Piracicaba-SP (campeão) e Volta Redonda-RJ (vice). Passaram por esta divisão clubes tradicionais como Inter Limeira-SP, Botafogo-SP, Rio Branco-ES, Gama-DF, Vila Nova-GO, Atlético-GO, Fortaleza-CE, Ferroviário-CE, ABC-RN, Botafogo-PB, CSA-AL, Sampaio Corrêa-MA, Nacional-AM, América-RJ, Avaí-SC, Figueirense-SC e Joinville-SC. Outros bem desconhecidos como Caçadorense-SC, São Mateus-ES, URT-MG, Bayer-RJ, Planaltina-DF, Ceilandense-DF, Rio Verde-GO, Corinthians-RN, Sete de Setembro-AL, Ipiranga-PE, Cori-Sabbá-PI, Taveirópolis-MS e Cascavel-PR, além de times do Acre, Rondônia, Roraima, Amapá e Tocantins que começavam a participar de competições nacionais desde o início dos anos 1990.

O ano de 1996 dava a impressão de estabilização das divisões, mas foi tudo o contrário. Denúncias de escândalos nas arbitragens colocaram em dúvida a lisura dos jogos do campeonato. Em campo, 8 melhores das 23 rodadas seguiram em fases eliminatórias que levaram ao título do Grêmio sobre a Port.Desportos. Uma ironia que o Grêmio havia sido rebaixado em 1991, subido em 1992 com 12 vagas da alteração do regulamento (era para ser 2 vagas como preconizava a 1ª.divisão com 20 clubes) e agora campeão brasileiro. A Port.Desportos uma grande surpresa, Atlético-MG e Cruzeiro sempre disputando, Goiás, Atlético-PR e Guarani-SP também surpreendendo. Porém paulistas como São Paulo-SP, Corinthians-SP e Santos e os 4 cariocas, Flamengo, Botafogo, Vasco e principalmente o Fluminense (23º.colocado e rebaixado) juntamente com o Bragantino-SP, dois clubes que em 1991 fizeram as semifinais do Brasileiro. Em 1997 surpresas aconteceriam.
A 2ª.divisão com seus 25 clubes teve fase de grupos, duas fases eliminatórias e o quadrangular final, subindo o campeão União São João-SP e o América-RN. Outros que ficariam por lá, o Náutico-PE, Londrina-PR, América-MG, Santa Cruz-PE, Joinville-SC, Ponte Preta-SP, Ceará-CE e Paysandu-PA.
A 3ª.divisão com seus 16 grupos na primeira fase, e o mata-mata até a decisão que aconteceria entre Vila Nova-GO e Botafogo-SP com o título dos goianos. Ficariam por lá Fortaleza-CE, CSA-AL, Operário-MS, Uberaba-MG, Uberlândia-MG, Caxias-RS, Figueirense-SC e Avaí-SC.

Então em 1997, a 1ª.divisão teria 26 clubes, pois foi entendimento ou pelo menos vontade dos dirigentes da CBF e dos clubes que não considerariam o rebaixamento de Fluminense (o 2º.grande dos 12 maiores do Brasil a ser rebaixado) e Bragantino. Foram 25 rodadas para os 8 melhores seguirem para dois grupos de 4 clubes, e depois a decisão entre Vasco campeão x Palmeiras vice. Nos dois quadrangulares estiveram frente a frente de um lado Flamengo x Vasco e do outro Palmeiras x Santos. E seriam 4 rebaixados, Bahia-BA, Criciúma-SC, novamente o Fluminense-RJ e União São João-SP.
A 2ª.divisão que manteve os 25 clubes seguiu com o mesmo regulamento (pela 1ª.vez, exatamente como no ano anterior), e o quadrangular final com América-MG (campeão), Ponte Preta-SP (vice), ambos subindo, e mais Náutico-PE e Vila Nova-GO (que tinha vindo da 3ª.divisão). Mas para conseguir ajustar a quantidade de clubes nas divisões seriam rebaixados 5 clubes, Sergipe-SE, Mogi Mirim-SP, Moto Clube-MA, Central-PE e Goiatuba-GO.
A 3ª.divisão seguiu com os 16 grupos, fases eliminatórias, mas diferente com um Quadrangular Final entre Sampaio Corrêa-MA, Juventus-SP, Francana-SP e Tupi-MG. Desconhecidos participaram da divisão como o Santa Rosa-PA, 4 de Julho-PI, Quixadá-CE, Juazeiro-BA, Limoeirense-PE, Flamengo-PE, Montes Claros-MG, Social-MG, Ponta Grossa-PR, XV Novembro-RS, Blumenau-SC e Tubarão-SC. Dos mais tradicionais, CSA-AL, Fortaleza-CE, Goiânia-GO, América-RJ, Inter Limeira-SP, Avaí-SC e Figueirense-SC.

1998-1999
O final da década chegava e estava parecendo que os modelos de 3 divisões, quantidade de clubes e regulamentos estariam estabelecidos.
A 1ª.divisão teria 24 e 22 clubes respectivamente, 8 clubes prosseguindo no mata-mata, com a implantação da 3ª.partida de desempate. Assim aconteceria muita semelhança em dois títulos do Corinthians, em 3 partidas da decisão, a 1ª.partida jogada em Belo Horizonte (em 1998 contra o Cruzeiro-MG e em 1999 contra o Atlético-MG) e os dois jogos restantes, em cada ano, em São Paulo. Os rebaixamentos seriam de 4 clubes, América-MG, Goiás-GO, Bragantino-SP e América-RN em 1998, e Gama-DF, Paraná-PR, Juventude-RS e Botafogo-SP em 1999, mas neste último ano não pela pontuação após 21 rodadas. O regulamento previa que os 4 rebaixados seriam pela média de pontos dos dois últimos anos, e na prática teria a Port.Desportos-SP e o Sport-PE rebaixados em lugar do Gama-DF e Paraná-PR.

Mas além disso, uma outra grande confusão tinha ocorrido. Foi comprovado que o jogador Sandro Hiroshi foi utilizado pelo São Paulo em confrontos contra Internacional e Botafogo, o que resultou na perda de pontos do time paulista, e os pontos para os gaúchos e cariocas. No caso do Botafogo, sua média subiu em 0,01 levando o Gama-DF ao rebaixamento. Os fatos desta história veremos na próxima postagem.
Se na 1ª.divisão já estava havendo confusão, na 2ª.divisão não diretamente em campo, mas situações ligadas as seus participantes também projetariam confusão no ano 2000. Em 1998, 24 clubes, 4 grupos, fase de mata-mata, fase de dois quadrangulares e o final com Gama-DF campeão, Botafogo-SP vice, e mais Desportiva-ES e Londrina-PR. Da primeira fase, os últimos de cada grupo (4 times) e os 2 piores 5º.colocados eram rebaixados, nesta leva o Náutico-PE, Volta Redonda-RJ, Americano-RJ, Juventus-SP e mais Fluminense-RJ e Atlético-GO). Isso mesmo, o Fluminense despencava para a 3ª.divisão, depois dos dois anos anteriores com rebaixamentos da 1ª. para a 2ª.divisão.
Já no campeonato de 1999, a 2ª.divisão teve pela primeira vez o menor número de participantes, 22 clubes, e todos contra todos em 21 rodadas. Os 8 primeiros seguiram para série eliminatória e os 4 melhores estavam no Quadrangular Final com Goiás-GO, Santa Cruz-PE, Bahia-BA e Vila Nova-GO. Cairam 6 clubes – União São João-SP, Criciúma-SC, Paysandu-PA, América-RN, Tuna Luso-PA e Desportiva-ES.

A 3ª.divisão seguiu com seu modelo de grupos e fases eliminatórias, e definindo em Quadrangular Final. Em 1998 com 66 clubes e em 1999 com 36 clubes. Avaí-SC campeão e São Caetano-SP vice na edição de 1998, e Fluminense-RJ campeão e São Raimundo-AM vice em 1999. Nos dois anos, muitos clubes mais tradicionais e muitos outros desconhecidos.

A situação
Para o 30º.ano de campeonato brasileiro – 1971-2000, o apagar das luzes de 1999 estipulava a 1ª. e 2ª.divisão, ambos com 20 clubes e a 3ª.divisão que poderia uma margem entre 32 clubes até 64 clubes, sempre com muitos grupos, fases eliminatórias e um quadrangular final que estava sendo adotado.
Poderíamos até supor que as duas primeiras divisões viessem a ter 38 rodadas, turno e returno, como os campeonatos nacionais europeus. O grande desafio seria os campeonatos estaduais, o RIO-SP, a Copa do Nordeste, Copa Norte que estavam no calendário.

O futebol brasileiro, com sua seleção tetra em 1994, chegava a decisão da Copa de 1998, perdendo para a França um “dia muito ruim” com coisas estranhas que aconteceram. O futebol aqui sempre com suas mirabolantes criações, regulamentos, divisões, reviravoltas e tudo mais. O que esperar realmente ?

Na próxima postagem, em mais ou menos 15 dias, vamos ter a 4ª.parte da pesquisa, partindo de 2000 até 2010, e fecharemos no final de fevereiro, quando nosso Brasileiro acabar. É só esperar.

FOTO: vavel.com

Post Anterior
Muitas notícias do Futebol Brasileiro, atualizando.
Próximo Post
Palmeiras campeão da Libertadores 2020.

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.