InícioCompetiçõesSucessos e Insucessos Brasileiros na América do Sul – 2000-2018, parte 2/2.

Sucessos e Insucessos Brasileiros na América do Sul – 2000-2018, parte 2/2.

Os clubes brasileiros na América do Sul – Sucessos e Insucessos – parte 2/2.
E nesta parte final de nossa pesquisa, seguimos com uma visão geral dos clubes brasileiros de 2000 a 2018, nas competições sul-americanas.

O que mudava agora é que a Libertadores passava a ter 8 grupos com 4 times, os 32 que fariam a Fase de Grupos da principal competição na América. Por conseguinte, mais clubes brasileiros estariam presentes, o que por um lado dava mais chances de conquistas, mas paradoxalmente mais eliminações.

Os primeiros representantes em 2000 eram Corinthians, Palmeiras, Juventude-RS, Atlético-MG e Atlético-PR, com o time gaúcho ficando pra trás e logo com o confronto entre os Atléticos brasileiros nas oitavas. Na fase seguinte, Corinthians x Atlético-MG duelavam e o Palmeiras também seguia pra fazer o clássico paulista nas semifinais com o resultado agregado de 6×6 e definição nos penaltis. O alvi-verde ia para a decisão contra o forte Boca Juniors, que mesmo decidindo em São Paulo, ficaria com o título.
No 2º.semestre do ano, a 3ª.edição da Mercosul, e além dos mesmos Corinthians, Palmeiras e Atlético-MG, também disputavam Cruzeiro, Vasco, Flamengo e São Paulo. E chegariam nas semifinais, o confronto Palmeiras x Atlético-MG, e o Vasco passando pelo River Plate, para uma decisão brasileira. Um decisão sensacional entre Palmeiras x Vasco, com a mais histórica vitória de 3×0 para 4×3, dando o título aos cariocas.

Em 2001, Palmeiras, Cruzeiro, Vasco seguiram pelas Oitavas, e nas Semifinais o reencontro entre Palmeiras x Boca Juniors, com novamente vitória nos pênaltis do time argentino. Na sequência, a última edição da Mercosul, quando novamente o futebol brasileiro estava representado na decisão entre Flamengo x San Lorenzo, e novamente um título argentino.

Para 2002, a CONMEBOL extinguia a Copa Mercosul e também a Copa Merconorte, para criar a Copa Sul-Americana, em que todos os países teriam pelo menos um representante. E nesta 1ª. edição nenhum brasileiro esteve participando. Então a Libertadores havia começado no início do ano, sempre com aquela fase classificatória, e com representante de times Mexicanos.
Nas semifinais dois times brasileiros estavam em disputa, o São Caetano passando pelo América Cali e o Grêmio ficando nos pênaltis contra o Olímpia, em Porto Alegre. Na decisão, o time paulista venceu no Paraguai, mas em São Paulo seria derrotado pelo Olímpia, também nos pênaltis.

Em 2003, o Santos fazia uma campanha forte passando pelos adversários, mas ao encontrar o Boca Juniors na decisão, sofreria duas derrotas. O time argentino conquistava seu 3º.título nos últimos 4 anos, e para surpresa de todos não conseguiria passar pelo Cruz Azul no ano seguinte. Na primeira participação brasileira na Copa Sul-Americana, o São Paulo foi bem adiante, mas seria eliminação pelo River Plate, nas semifinais.
Em 2004, Santos, São Paulo e São Caetano chegariam as Quartas de Finais, mas somente o tricolor seguiria para enfrentar o Once Caldas e ser derrotado na 2ª.partida, lá na altitude. Pela Copa Sul-Americana, Santos não conseguiria passar pela LDU Quito nas Quartas de Finais, e com o Internacional seguindo para as Semifinais, não conseguiria superar o Boca Juniors, o grande carrasco brasileiro naqueles anos.

A HEGEMONIA BRASILEIRA – 2005 / 2013
Nos 9 anos seguintes, tivemos times brasileiros todos os anos na Libertadores, duas vezes com decisão nacional, e 6 conquistas e 3 vices, que foram em muito inexplicáveis.
Logo de início, o São Paulo conquistaria o título de 2005 sobre o Atlético-PR, com a 2ª.partida acontecendo em Porto Alegre, e por ironia, em 2006, decidindo contra o Internacional, perdendo o título em Porto Alegre.
O regulamento mudava, e os confrontos entre times de mesmo país deveriam acontecer até as semifinais, e não mais conseguimos colocar os brasileiros na decisão, mas seguimos sempre lá.
E foi com certeza doído perder 3 Libertadores, em 2007, Grêmio que pegou um “carrasco”, o Boca Juniors, que faria duas vitórias na decisão. Em 2008, o Fluminense com uma campanha impecável seria derrotado nos pênaltis, depois de uma decisão agregada em 5×5 contra a LDU Quito; e em 2009, com o Cruzeiro que havia empatado com o Estudiantes fora de casa, perderia o título em Belo Horizonte, nos minutos finais, levando uma virada no placar.
Nos 4 anos seguintes não teve mais problema, e Internacional, Santos, Corinthians e Atlético-MG fariam a festa de suas torcidas, e pela primeira vez para o Brasil 4 títulos consecutivos.

RECOPA – 1989 – 2018
Uma competição de decisão direta entre os campeões da Libertadores e da Sul-Americana, do ano anterior, que em outras épocas era com os vencedores Supercopa. Seu primeiro período de disputa aconteceu entre 1989 e 1998, com 4 conquistas brasileiras, São Paulo (1993-1994), Grêmio (1996) e Cruzeiro (1999).
Retornando a partir de 2003, foram mais 6 conquistas, Inter (2007-2011), Santos (2012), Corinthians (2013), Atlético-MG (2014) e Grêmio (2018).

OS ÚLTIMOS ANOS
Em 16 edições da Copa Sul-Americana, as conquistas foram poucas, com Internacional (2008), São Paulo (2012) e o Atlético-PR (2018), além da conquista “fair play” da Chapecoense em 2016. Além destes resultados, os 4 vices com Fluminense (2009), Goiás (2010), Ponte Preta (2013) e Flamengo (2017).

Um sistema de disputa com até 8 brasileiros em disputa, tanto na Libertadores quanto na Sul-Americana, começando em fases eliminatórias, e campanhas mais diretas até as semifinais e decisão, com mais um título, do Grêmio, em 2017, e o Atlético-PR em 2018.

O fato é que os times brasileiros tem mais se dedicado as competições sul-americanas, que desde 2017, passaram a ser simultâneas, inclusive com clubes saindo da Libertadores e indo para a Sul-Americana, e as decisões no final do ano. Já em 2019 será pelo menos na Libertadores, em partida única, decisiva.

Em resumo, os clubes brasileiros alcançaram 18 títulos da Libertadores (1960-2018), 10 da RECOPA (1989-2018), 4 da Sul-Americana (2002-2018), e mais 3 taças da Mercosul e 3 taças da Supercopa. Uma boa quantidade de títulos, mas bem atrás dos argentinos com um total de 47 conquistas contra 38 taças do Brasil.

FOTO:  goal.com

Post Anterior
Chapecoense, 45 anos, uma história a ser contada.
Próximo Post
SiteFUTEBOL, 18 meses, feliz 2019.

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.